Anti-histamínicos: mais eficácia com menos efeitos adversos

2019-12-31

Anti-histamínicos: mais eficácia com menos efeitos adversos

Na abordagem das alergias, a transição dos medicamentos anti-histamínicos de primeira geração para os de terceira geração tem sido um grande avanço no controlo dos efeitos laterais negativos do medicamento. Têm evoluído também com mais eficácia contra os sintomas com um menor número de tomas.

O desenvolvimento e a evolução de anti-histamínicos nos últimos tempos têm sido associados à necessidade de responder a uma patologia crescente, como as doenças alérgicas, tendo em conta a importância de facilitar a adesão ao tratamento, minimizando os seus efeitos adversos e explorando diferentes vias de administração. E o seu futuro está ligado à necessidade de combinar esse poder anti-histamínico com o poder anti-inflamatório.

A descoberta do primeiro anti-histamínico remonta ao início do século passado, quando foi determinado como o bloqueio da histamina produzia uma melhoria nos processos alérgicos – os anti-histamínicos clássicos ou de primeira geração, cujo mecanismo de ação se baseia na inibição específica dos recetores H1, que se identificaram como responsáveis pelos principais sintomas presentes nos doentes alérgicos, como espirros, comichão no nariz e lacrimejo. Esses medicamentos têm sido historicamente classificados pelo seu grupo químico e embora se tenham mostrado eficazes (e na maioria dos casos ainda são utilizados), os mesmos têm efeitos adversos com base em sua atividade anticolinérgica (boca seca, etc) e na produção de sonolência, sedação, cansaço e fraqueza, especialmente em idosos. Este é também um problema nas crianças em idade escolar, uma vez que compromete a sua capacidade de atenção e aprendizagem ao longo do dia.
Esses efeitos adversos têm grande variabilidade interpessoal e não são previsíveis, o que exigiu o desenvolvimento de outros princípios ativos que bloqueiam esse mesmo receptor, mas não apresentam esses efeitos indesejados. Daí surgiu a segunda geração de anti-histamínicos (cetirizina, ebastina, fexofenadina, loratadina, desloratadina, Levocetirizina, rupatadina, …) que não têm ação anticolinérgica e não atravessam a barreira hematoencefálica. Estes representaram uma melhoria principalmente em termos de redução dos efeitos laterais e facilitação da toma e adesão ao tratamento.

Os anti-histamínicos clássicos (primeira geração) são compostos lipofílicos, contêm anéis aromáticos e substituintes alquil, que produzem os efeitos colaterais descritos. Os anti-histamínicos H1 de segunda geração são menos lipofílicos, já que a estrutura química (radicais) foi modificada para torná-los mais específicos. Essa seletividade e especificidade causa menores efeitos da ação noutros recetores de histamina ou anticolinérgicos, além de menos ação a nível do sistema nervoso central (SNC), porque não atravessam a barreira hematoencefálica. Isto na prática significa que quem precisa ser tratado com esses medicamentos pode desenvolver plenamente suas atividades diárias e de lazer.

Dentro das melhorias farmacocinéticas, a nova geração tem uma duração média de ação maior, mantendo os efeitos por mais tempo. No caso da primeira geração de anti-histamínicos, entre 3 e 6 horas depois, começamos a observar uma perda de seus efeitos, enquanto, em geral, a segunda geração mantém sua acção por até 24 horas, o que permite na maioria dos casos, apenas uma administração por dia, consequentemente melhorando a adesão ao tratamento.

Do ponto de vista das apresentações, existem diferentes tipos de formulações, incluindo comprimidos para administração oral, colírios e cremes para aplicação oftálmica e outras aplicações tópicas. A disponibilidade de medicamentos por via tópica nasal / ocular melhora tanto em termos de redução dos efeitos laterais sistémicos quanto em adesão.
No caso dos comprimidos para administração oral, foram feitas inovações destinadas a aumentar suas características farmacocinéticas , com o objetivo de manter concentrações plasmáticas estáveis por um longo período de tempo e, portanto, reduzir número de tomas diárias que um paciente deve realizar.

COMPLICAÇÕES ASSOCIADAS

No entanto, é importante alertar para possíveis complicações associadas à sua utilização: no caso dos anti-histamínicos de segunda / nova geração, o uso prolongado de alguns (astemizol e a terfenadina) tem sido associado ao aparecimento de certos problemas cardiovasculares, principalmente arritmias, embora ocorram raramente. Como são fármacos eliminadas do organismo por processos metabólicos no fígado (com exceção de cetirizina, levocetirizina e fexofenadina), é necessário levar em consideração as situações em que sua eliminação pelo fígado esteja comprometida por exemplo, em pacientes com doenças hepáticas, já que haveria um aumento nas concentrações plasmáticas do fármaco e aumentaria o risco de problemas cardiovasculares (arritmias).
Já os anti-histamínicos de terceira geração, não provocam visão turva, boca seca, sedação, sonolência e não têm qualquer efeito tóxico sobre o coração.

Usar em SOS ou diariamente?

Durante o uso regular, diário, por tempo prolongado, não ocorre redução da ação farmacológica. Esses compostos mantêm a capacidade tanto de supressão da pápula e do eritema induzidos pela histamina quanto do controlo dos sintomas da rinite alérgica persistente e da urticária crónica, durante semanas a meses.
Alguns estudos mostram que o uso contínuo é mais vantajoso e eficaz do que o regime de utilização em SOS. Em crianças, o tratamento por tempo prolongado pode, ainda, melhorar os sintomas de vias aéreas inferiores e exercer efeito preventivo no início da asma em lactentes mono-sensibilizados (a ácaros do pó ou pólen de gramíneas).
Uma vez que os anti-histamínicos são frequentemente prescritos por tempo prolongado, a possibilidade de que possam interagir com outros fármacos deve ser sempre levada em consideração.

Convém não esquecer que o tratamento mais eficaz até agora demonstrado para as doenças alérgicas respiratórias, e que permite suspender a utilização de medicamentos, nomeadamente os anti-histamínicos, por vários anos, são as vacinas anti-alérgicas (imunoterapia específica com alérgenios). Fale com o seu Alergologista sobre essa possibilidade!

voltar

Últimos artigos

Alergia ao leite de vaca e alergia ao cão… Qual a relação??
Quais são as doenças alérgicas mais frequentes?
Alergia aos excipientes dos medicamentos?
Alergia aos meios de contraste iodados
Reações aos medicamentos da hipertensão
Diferenças entre COVID-19 e Alergias
Anti-histamínicos: mais eficácia com menos efeitos adversos
Quando o resto da família não compreende ou aceita a alergia alimentar das crianças
Tratamento com vacinas para as alergias
Re-introdução do leite de vaca na dieta da mãe a amamentar bebé com APLV